LIA VIEIRA

Encruzilhada de Notícias

1º de maio - Trabalhismo, Teoria Malthusiana e "Vai nessa tua força”

01/05/2020

Agradeço a você público leitor que chega até aqui e que me entusiasma com suas curtidas e seus comentários, como, se a dizer, é por aí...


Gosto de me mover por datas e o 1º. de maio, meu grande desafio.


Rendo homenagens, em especial, aos profissionais da saúde, as trabalhadoras domésticas, a cada trabalhador e trabalhadora que, em sacrifício de vida, produtivamente mantém a economia nacional em funcionamento.


A data surgiu em 1886, quando trabalhadores americanos fizeram uma paralisação no dia primeiro de maio para reivindicar melhores condições de
trabalho. O movimento se espalhou pelo mundo e, no ano seguinte, trabalhadores de países europeus também decidiram parar por protesto.

 

Aqui no Brasil existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de
1895. Somente em 1919 é criada a Organização Internacional do Trabalho (OIT), com a atribuição de estabelecer garantias mínimas aos trabalhadores e, também, evitar a exploração do trabalho de crianças. A partir daí, houve uma longa luta que perdura até hoje, dos movimentos  sindicais, para reivindicação dos direitos e melhorias das condições do trabalho.


O Trabalhismo no Brasil se fortalece com a criação do Ministério do Trabalho, em novembro de 1930. Festas, comícios, partidas de futebol, shows, sempre fizeram parte de palanques para celebrar a data. A luta era para reconstruir o Trabalhismo e apontar que os novos rumos para o desenvolvimento do Brasil se dariam por uma sociedade menos desigual e democrática.


Educação, saúde, higiene, alimentos, proteção as mulheres, as crianças, a invalidez, a velhice,  crédito, salário, direito ao lazer e a cultura artística  para
todos – urbanos, rurais, quilombolas e os povos originários da terra.

Pelo que eu sei e ocorre quase todos os dias, desde 1930 – a realidade é bem outra.
 

Um abismo de oportunidades, de direitos, de privilégios, de benefícios entre a população de origem europeia e a de origem africana, sempre uma falácia em profissões, cargos e salários.


Recorro a teoria malthusiana: O malthusianismo é uma teoria demográfica criada pelo economista inglês Thomas Robert Malthus, no final do século XVIII. De acordo com esta teoria, a população mundial cresce em progressão geométrica, enquanto a produção de alimentos em progressão  aritmética.

Os críticos consideravam esta teoria muito pessimista e desumana, pois ela apontava para um cenário social mundial negativo, ousando o reflexo da inter subjetividade – comunicação das consciências individuais, umas com as outras, realizadas com base na reciprocidade, conceito formulado por Martins Buber.

Malthus, não previu os efeitos decorrentes da urbanização, do progresso
tecnológico aplicado à agricultura, a geração dos transgênicos, as guerras e as epidemias que chegam aniquilando toda uma população.


Pandemia que chega devastando o modelo econômico de crescimento profissional das duas últimas décadas: as micro e pequenas empresas  e mais recentemente as mei, uma alternativa democrática e atraente que abriu oportunidades para grupos discriminados no mercado de trabalho, em sua maioria, mulheres e negros.


A competência  afro brasileira nas atividades produtivas trouxe para o debate econômico um novo segmento, o empreendedorismo afro, consumo e identidade em novos insights de se pensar produtos. Nos linkamos a empreendimentos poderosos e criamos nossos próprios coaches: Ceert, Renafro, Black Money, Quilombjoje, Feira Preta, Tati Brandão Coach e...
 

E, o que nos reserva, este novo contexto endêmico, político, social e econômico do país?


A resposta é uma só: Secularmente testados vamos começar de onde estamos. Olhar para trás paralisa. “Vai nessa tua força“, nos capacitará e será promovida por Redes de fortalecimento, apoio e solidariedade. 

 

Colabora Afro empreendedores, em sua própria descrição: Grupo de colaboração mútua entre afro empreendedores, para juntos construirmos alternativas em todos os aspectos, que nos ajudem a passar pelos desafios
trazidos com a crise do Coronavírus.

 

Este Grupo hoje agrega 160 participantes, fora as visualizações, exclusivamente, empreendedores, seus negócios e seus contatos. O protagonismo de Katiúcha Watuze, nesta brilhante ideia, busca práticas e soluções, formação e informação, troca de experiências, sugestões de livros técnicos e filmes na temática e o que mais couber em um suporte empresarial.


As lives que se multiplicam por ramos de atividades são exemplos de inclusão digital no princípio que tantas vezes, repeti: 
 

– Quem não é  ponto com, é ponto morto.

 

Reclamação não combina com sucesso. “Vai nessa tua força”, é efetivamente agir para mudar a situação. Numa revolta consciente e não numa conformidade. Implemente sua Rede e compartilhe novas ideias.
 

Em tempo de Crise. Crie!


Teoria Malthusiana - A teoria demográfica formulada pelo economista inglês Thomas Robert Malthus (1776-1834) foi publicada em 1798, no livro Ensaio sobre o princípio da população.
O negro no mercado de trabalho -  Marcelo Paixão – Cadernos CEAP – Rio - 2009

Conteúdos anteriores:

LIA VIEIRA

Carioca e graduada em Economia, Turismo e Letras, Lia cursou doutorado em Educação na Universidade de La Habana (Cuba)/Universidade Estácio de Sá (RJ). É escritora, pesquisadora, dirigente da Associação de Pesquisa da Cultura Afro-brasileira e militante do Movimento Negro e do Movimento de Mulheres

Siga a Lia Vieira nas redes sociais:

Facebook | Instagram

COMENTÁRIOS

Acesse nossas redes sociais

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Twitter

Parceiros

engaja2.jpg

PAUTA RIO
Copyright © 2020 
Todos os direitos reservados.